14 de setembro – Umeko Tsuda

“Que dia é hoje?” – Capítulo 43

No dia 14 de setembro de 1900, foi inaugurada a escola para educação de mulheres Joshi Eigaku Juku (女子英学塾, Instituto de Inglês para Mulheres, em tradução livre), que posteriormente, em 1948, tornou-se a Tsuda College (津田塾大学, Tsudajuku Daigaku). Desde abril de 2017, o nome em inglês da instituição passou a ser Tsuda University.

A escola foi fundada for Umeko Tsuda, num esforço conjunto com outras educadoras como Shigeko Uryū e Sutematsu Ōyama. O nome Umeko Tsuda está se tornando mais conhecido no Japão, pois, a partir de 2024, será o “rosto” da cédula japonesa de 5 mil ienes, substituindo a escritora Itiyō Higuchi.

Umeko Tsuda nasceu em 1864, como filha de Sen Tsuda, um agrônomo que foi um dos responsáveis pela fundação da Aoyama Gakuin University, como a conhecemos nos dias de hoje. Kiyotaka Kuroda, que se tornaria primeiro ministro do Japão em 1888, se interessava pelo desenvolvimento da educação para mulheres.

Em 1871, a Missão Iwakura (岩倉使節団, Iwakura Shisetsudan), a mais importante das missões diplomáticas japonesas que visava a modernização do Japão na Era Meiji, levou 107 pessoas, entre ministros e estudantes, para os Estados Unidos e países da Europa. Kuroda quis que a missão levasse mulheres como intercambistas e Sen inscreveu sua filha Umeko, com apenas seis anos.

Nos Estados Unidos, conviveu por dez anos com as intercambistas Shigeko Nagai (Uryū) e Sutematsu Yamakawa (Ōyama), onde se tornaram amigas para a vida toda. Umeko e Sutematsu prorrogaram seus estudos por mais um ano, retornando em 1882.

Retornando ao Japão, haviam poucas possibilidades de ocupação para as mulheres intercambistas. Sutematsu e Shigeko se casaram. Umeko tinha dificuldades de falar a língua japonesa após longo tempo nos Estados Unidos. Mas por intermédio de Hirobumi Ito, o primeiro primeiro ministro do Japão, tornou-se professora de inglês.

Em 1889, voltou para os Estados Unidos para mais um intercâmbio, retornando em 1892. E continuou a trabalhar como professora, ajudando ativamente as alunas. Até que em 1900, inaugura o Joshi Eigaku Juku.

O conceito de educação feminina já existia no Japão por volta do século 16. No Período Edo, muitas meninas aprendiam a ler, escrever e calcular com o ábaco “soroban”. Porém, mesmo já no século 19, a educação feminina no Japão ainda seguia o ideal de Ryōsai Kenbo (良妻賢母), inclusive na lei anunciada em 1899.

O Ryōsai Kenbo, em tradução literal seria “ser uma boa esposa e ser uma mãe com sabedoria”. Na época, era considerado o modelo de mulher perfeita, pois a função das mulheres seria proteger o lar. Umeko questionou este pensamento e passou a oferecer um ensino livre e de alto nível para as mulheres.

Muitas mulheres de destaque nas áreas de Literatura Inglesa ou Relações Internacionais se formaram na Tsuda University e trabalham pela eliminação da discriminação contra a mulher e por oportunidades iguais no trabalho.
.


 

Veja também:

17 de agosto – 1000 ienes (Capítulo 25)

Livraria Virtual

ACBJ - Aliança Cultural Brasil-Japão

Aliança Cultural Brasil-Japão
Unidade Vergueiro
Cursos de língua japonesa, português para japoneses e artes orientais.
R. Vergueiro, 727 - 4º andar
Liberdade - 01504-001
São Paulo - Tel.: (11) 3209-6630
Centro Cultural Aliança
Unidade Pinheiros
Cursos de língua japonesa, português para japoneses e artes orientais.
R. Dep. Lacerda Franco, 328
Pinheiros - 05418-001
São Paulo - Tel.: (11) 3031-5550



© Aliança Cultural Brasil Japão
Todos os direitos reservados
by hkl interactive media