17 de novembro é o Dia do Shogi!

“Hoje é Dia de Cultura Japonesa!” – Capítulo 79

O Shogi (leia-se: xougui) é um jogo de tabuleiro também conhecido como xadrez japonês. Ieyasu Tokugawa, o primeiro xogum do Período Edo (Tokugawa), era um grande apreciador do Shogi. Assim, Ieyasu tornou o Shogi e o Igo, atividades oficiais do Bakufu (governo feudal), passando a realizar um evento anual de Shogi, dentro do Castelo Edo.

No início, este evento anual não acontecia em uma data definida, mas Yoshimune, o oitavo xogum de Tokugawa, determinou que o Shogi no castelo seria realizado no dia 17 de novembro do calendário lunar. Por isso, esta data, no calendário gregoriano, foi escolhida como o Dia do Shogi em 1975, pela Japan Shogi Association.

Os jogos de tabuleiro do tipo xadrez teriam origem no jogo indiano chaturanga. No oriente, existem diversos jogos parecidos. Uma das grandes características do Shogi japonês é o conceito de “mochigoma” (持ち駒), em que você pode reutilizar as peças que você capturou do adversário como suas peças.

O Shogi é jogado num tabuleiro de 81 casas (9 colunas x 9 linhas) e existem 8 tipos de peças: Gyokushō ou Ōshō (玉将 ou 王将, equivalente ao Rei do xadrez ocidental), Hisha (飛車, equivalente a Torre), Kakugyō (角行, equivalente ao Bispo), Kinshō (金将, General de ouro), Ginshō (銀将, General de prata), Keima (桂馬, equivalente ao cavalo), Kyōsha (香車, Lanceiro), e Fuhyō ou Fu (歩兵, equivalente ao Peão). As peças que chegarem até as últimas três linhas, no território adversário, podem ser promovidas.

Hoje em dia, existem 8 títulos oficiais no Shogi. São eles: Meijin (名人), Kisei (棋聖), Ōi (王位), Eiō (叡王), Ōza (王座), Ryuō (竜王), Ōshō (王将) e Kiō (棋王). Em 2020, o jovem jogador profissional Sōta Fujii, de 18 anos, conquistou o título de Kisei, tornando-se o mais jovem detentor de um título da história. Logo em seguida, ele conquistou o Ōi, seu segundo título.

Atualmente, o mundo do Shogi está de olho na disputa do título Ryuō, entre Masayuki Toyoshima (detentor do título) e o desafiante Yoshiharu Habu. Em 1996, Habu tornou-se o primeiro jogador a unificar todos os títulos de Shogi (que eram sete, na época). Hoje não defende nenhum título, mas, somando todas as temporadas em que defendeu títulos, somam-se 99 temporadas. Ou seja, se Habu vencer Toyoshima, chegará ao incrível marco de 100 temporadas como detentor de títulos.

O Shogi correu o risco de ser proibido após a Segunda Guerra Mundial. As Forças Aliadas de Ocupação do Japão (GHQ, como é conhecido pelos japoneses) tiveram uma reunião com os diretores do Japan Shogi Association e foi argumentado que o Shogi deveria ser proibido por ser um jogo selvagem em que se captura as peças adversárias, tornando-as reféns e utilizando-as para atacar o seu “exército” de origem (regra do mochigoma).

O diretor da Japan Shogi Association contra-argumentou que o xadrez seria mais violento, pois estariam eliminando os reféns. A regra do mochigoma seria uma forma de dar outra oportunidade às peças capturadas. Além disso, argumentou sobre direitos iguais para homens e mulheres, mas que, no xadrez, muitas vezes se sacrificava a rainha para salvar o rei. O Shogi teria escapado da proibição após estes argumentos.

Existem diversas expressões japonesas utilizadas no cotidiano que tiveram origem no Shogi. Podemos citar takabisha (高飛車), narikin (成金), sutegoma (捨て駒), oute (王手) e muitas outras. Hoje vamos explicar a expressão hishakakuochi (飛車角落ち). No Shogi, esta palavra é utilizada quando um jogador mais forte joga sem o Hisha (“Torre”) e o Kakugyō (“Bispo”) para dar maiores chances ao oponente.

Na vida real, utilizamos esta palavra quando precisamos combater um adversário desfalcado de peças importantes. Por exemplo, no fatídico 7×1 que o Brasil sofreu da Alemanha na Copa do Mundo de 2014, o Brasil jogou sem o capitão Thiago Silva e o craque Neymar. Alguns jornais japoneses escreveram, na época, que a seleção anfitriã (Brasil) enfrentaria a temível seleção alemã em condição de hishakakuochi.

A municipalidade de Tendō, na província de Yamagata, é conhecida por ser a maior produtora de peças de Shogi do Japão. Em abril, é realizado o “Shogi humano” (人間将棋, ningen shōgi), em que as pessoas representam as peças de Shogi e participam de uma partida num tabuleiro gigante, seguindo as instruções de uma jogadora profissional de Shogi. É um evento semelhante ao xadrez ao vivo da comuna de Marostica, na Itália.

Em 2008, as jogadoras profissionais Madoka Kitao e Maiko Fujita criaram o Dōbutsu Shōgi (どうぶつしょうぎ), o Shogi de animais. É um jogo simplificado, num tabuleiro de 3 colunas e 4 linhas, com cada jogador possuindo apenas 4 peças: o Leão (Rei), o Elefante (Bispo), a Girafa (Torre) e o Pintinho (Peão), que pode ser promovido ao Galo.

Se você quiser conhecer mais sobre o Shogi, recomendamos o anime Sangatsu no Lion, disponível na Netflix.

 


 

Veja nossos artigos anteriores no site da Aliança (link na bio):

18 de agosto – Dia do Arroz (Capítulo 26)

26 de agosto – Original Jigsaw Puzzle (Capítulo 31)

13 de outubro – Dia da Batata Doce (Capítulo 63)

Livraria Virtual

ACBJ - Aliança Cultural Brasil-Japão

Aliança Cultural Brasil-Japão
Unidade Vergueiro
Cursos de língua japonesa, português para japoneses e artes orientais.
R. Vergueiro, 727 - 4º andar
Liberdade - 01504-001
São Paulo - Tel.: (11) 3209-6630
Centro Cultural Aliança
Unidade Pinheiros
Cursos de língua japonesa, português para japoneses e artes orientais.
R. Dep. Lacerda Franco, 328
Pinheiros - 05418-001
São Paulo - Tel.: (11) 3031-5550



© Aliança Cultural Brasil Japão
Todos os direitos reservados
by hkl interactive media