24 de setembro – Maratona Olímpica Feminina

“Hoje é dia de Cultura Japonesa!” – Capítulo 51

No dia 24 de setembro de 2000, a maratonista Naoko Takahashi venceu a competição durante os Jogos Olímpicos de Sydney, tornando-se a primeira japonesa a conquistar a medalha de ouro na maratona olímpica.

A maratona feminina passou a fazer parte dos Jogos Olímpicos em 1984, em Los Angeles. As japonesas tiveram grande destaque entre a década de 1990 e os anos 2000, subindo ao pódio em 4 olimpíadas consecutivas.

O desempenho das japonesas também foi brilhante na maratona do Campeonato Mundial de Atletismo, disputado a cada dois anos desde 1991, com 2 ouros, 5 pratas e 3 bronzes durante as mesmas duas décadas.

Vamos apresentar aqui, as três medalhistas olímpicas.

Yuko Arimori, nascida na província de Okayama em 1966, conquistou a medalha de prata em Barcelona (1992) e bronze em Atlanta (1996). Começou a praticar o Atletismo na época do colégio (equivalente ao Ensino Médio) e estreou em maratonas em 1990.

Em Barcelona, Arimori travou um duelo nos 6 km finais com a russa Valentina Yegorova, que competiu pela Comunidade dos Estados Independentes (CEI), após a dissolução da União Soviética. Porém, Yegorova abriu distância na pista final, no estádio, e Arimori ficou com a prata, por 8 segundos de diferença da campeã.

Coincidentemente, esta medalha de prata veio num dia 2 de agosto, no fuso horário japonês (dia 1º, na Espanha). No dia 2 de agosto de 1928, Kinue Hitomi, também nascida em Okayama, tornou-se a primeira mulher japonesa a conquistar uma medalha olímpica, no caso a prata, na corrida de 800 m.

Com o bronze em Atlanta, tornou-se a primeira e, por enquanto, única japonesa a conquistar medalhas em dois jogos consecutivos, no Atletismo. A frase: “自分で自分を褒めたい” (Jibun de jibun wo hometai / gostaria de elogiar a mim mesma), que ela disse na entrevista pós-maratona foi escolhida como o termo mais popular do Japão naquele ano (Ryūkougo Taishō).

Posteriormente, declarou-se atleta profissional, tornando-se, de fato, a primeira corredora profissional do Japão. Em 1996, criou a meia-maratona de Angkor Wat, no Camboja, que acontece em torno do Patrimônio da Humanidade (UNESCO), que dá o nome à prova.

Naoko Takahashi nasceu em Gifu, em 1972. Praticou Atletismo desde o Chūgaku (Ensino Fundamental), com bons desempenhos no colégio e destaque na faculdade. Correu sua primeira maratona em 1997 e venceu várias provas. Conquistou a vaga para os jogos de Sydney (2000), após vencer a Nagoya International Women’s Marathon.

Em Sydney, fez sua aposta aos 18 km de prova, distanciando-se das demais atletas. Um momento marcante foi aos 35 km, quando tirou seus óculos de sol para acelerar até a chegada. A atleta Lidia Simon, da Romênia, chegou a ameaçar, já no trecho final dentro do estádio, mas Takahashi venceu, conquistando o primeiro ouro japonês na maratona feminina com 2h23min14s, com direito a recorde olímpico. Simon ficou com a prata, com 8 segundos de diferença.

Takahashi é popularmente conhecida como Q-chan (Qちゃん). O seu próprio apelido foi indicado para o termo mais popular do Japão, o Ryūkougo Taisho, ficando entre os Top 10.

O segundo ouro olímpico na maratona feminina veio logo nos jogos a seguir, em Atenas (2004). Mizuki Noguchi nasceu em 1978, na província de Kanagawa, e cresceu em Mie, onde deu seus primeiros passos no Atletismo. Desde 1999, passou a focar em meia-maratona, passando para a maratona em 2002, quando venceu a Nagoya International Women’s Marathon.

A maratona de Atenas foi uma prova rigorosa, numa temperatura superior a 30ºC. Noguchi disparou logo aos 25 km, mas no final, resistiu à perseguição da queniana Catherine Ndereba, terminando a prova com o ouro em 2h26min20s, com 12 segundos de vantagem em relação à queniana.

Noguchi também possui uma frase famosa: “走った距離は裏切らない” (hashitta kyori wa uraguiranai) ou “a distância percorrida não irá te trair/deixar na mão”. Com esta frase, Noguchi passa a mensagem que a distância percorrida, ou seja, o esforço acumulado é o que vai fazer a diferença. Portanto, deve-se valorizar os esforços de cada dia.

Crédito da imagem: The Japan Times.

 


 

Veja também nossos artigos anteriores:

17 de Julho – Nadeshiko Japan (Capítulo 3)

11 de Agosto – Ganbare (Capítulo 21)

12 de Setembro – Maratona (capítulo 42)

Livraria Virtual

ACBJ - Aliança Cultural Brasil-Japão

Aliança Cultural Brasil-Japão
Unidade Vergueiro
Cursos de língua japonesa, português para japoneses e artes orientais.
R. Vergueiro, 727 - 4º andar
Liberdade - 01504-001
São Paulo - Tel.: (11) 3209-6630
Centro Cultural Aliança
Unidade Pinheiros
Cursos de língua japonesa, português para japoneses e artes orientais.
R. Dep. Lacerda Franco, 328
Pinheiros - 05418-001
São Paulo - Tel.: (11) 3031-5550



© Aliança Cultural Brasil Japão
Todos os direitos reservados
by hkl interactive media